Postagens sobre vida

Quanto amor e respeito nós temos pela Terra?

Sustentabilidade - Chirles Oliveira - 6 de setembro de 2016

Nosso planeta azul, nossa Mãe-Terra existe há 4, 5 bilhões de anos. Dá para imaginar o quanto de tempo isso significa? Já parou para pensar quanto amor e respeito nós temos pela Terra? Continuar Lendo

Continuar Lendo

A vida nos manda seguir…

Colunistas - Jared Amarante - 1 de julho de 2016

Imagem do Pixabay Imagem do Pixabay

Quantos de nós compreendemos o que fazer diante da vida que nos foi dada? Essa talvez seja uma grande pergunta, mas com bastante dificuldade para ser respondida. Contudo, é inevitável que, cedo ou tarde, tenhamos a consciência de que bem ou mal, devemos continuar vivendo, reconhecendo que somos nós os responsáveis por lamentar ou se levantar.

Apesar do tamanho da saudade, apesar do quanto gostaríamos de mudar o outro, apesar de quantas coisas ainda nos faltam, apesar de ter que acordar cedo e já se sentir cansado, apesar da solidão de mãos dadas, apesar das contas altas, apesar da vontade de amar e não ser correspondido, apesar dessas e de tantas outras coisas, a vida só nos pede que continuemos andando.

Somos sujeitos nessa existência a amar e desamar, perder parentes e reconquistá-los, cair e levantar, enxugar as lágrimas e trocar de sonhos, despedaçar corações e termos o nosso partido, amar e não ser correspondido, desistir e recomeçar, esperar e cansar, entre tantas outras coisas que, simplesmente, chegam como lições de uma frágil vida a nós apresentada.

Então, que sejamos bem vindos, mas sem esperar que tudo seja um mar de rosas.

Não podemos achar que tudo irá bem sempre, mas podemos, sempre, estar dispostos a mudar as circunstâncias, por meio de uma fé que nos faz inabaláveis, entendendo que não há vitoriosos e perdedores, e sim pessoas que lutam e pessoas que desistem.

Quantas vezes você já refletiu sobre isso?

A vida pode parecer um grande mar de desorientação e incertezas, mas devemos enxergá-la como uma oportunidade milagrosa, e assim celebrarmos vitórias, amarmos enquanto temos por perto, realizarmos sonhos, sermos gratos e, a cada dia, não se comparar aos outros.

Temos que aceitar nossas emoções e entendê-las, acreditando que nada é eterno, por mais que gostaríamos que fosse. Por isso, temos o agora para sonhar, ouvir novas músicas, servir ao próximo e sentir amor sem esperar nada em troca, por mais que pareça justo e belo ser retribuído.

E assim, vivendo um dia de cada vez, ao final, perceberá que seu grande medo nunca foi envelhecer, e sim envelhecer cheio de arrependimentos.

Continuar Lendo

Desculpa, mas não sei o que é o amor

Colunistas - Jared Amarante - 24 de junho de 2016

imagem do Pixabay imagem do Pixabay

Essa é uma existência cheia de altos e baixos. Entendidos e mal-entendidos. Encontros e desencontros. Mas e quando é necessário pedir perdão para si mesmo e seguir em frente? Quando é necessário reconhecer que não sabemos de tudo? Quando é imprescindível aceitar que o amor – o mais lindo sentimento -, nem sempre é tão justo?

Sim, é isso mesmo. Quem nunca refletiu sobre isso? Às vezes acho que o amor é aquele primeiro olhar apaixonado na adolescência. Aquele gole de coca gelado quando você está desesperado de sede. Aquela roupa dos seus sonhos. Aqueles maravilhosos elogios que te completam por cinco minutos.

Mas o tempo vai passando e você vai percebendo que o amor pode ser muita coisa, ou nada. Só sei que ele é injusto, ou justo demais. Contudo, talvez a questão toda não tenha a ver com a nobreza desse sentimento, e sim com a atitude das pessoas quando pensam que amam.

Talvez estar apaixonado seja um tipo de amor. Talvez gostar seja um tipo de amor. Talvez sentir atração seja um tipo de amor. Talvez tudo isso seja uma ilusão, ou não. Talvez o amor seja a convivência. Talvez o amor seja passageiro. Talvez o amor seja o eterno enquanto dure. Talvez o amor já não esteja em todos os corações.

O verdadeiro processo para conhecer o amor, de repente, começa dentro de nós. Será?

Cada indivíduo deveria dar asas à imaginação. Ampliar conhecimentos. Trocar as roupas do armário. Colorir os cabelos. Andar descalço na rua. Tomar banho de chuva. Desistir de um curso para fazer outro que sente mais prazer. Já pensou se não são, todas essas coisas, que lhe farão conhecer o amor?

Nunca devemos confundir carência com amor, até mesmo porque isso pode se tornar uma doença, e as pessoas não são obrigadas a corresponder nossos sentimentos e expectativas. Não se agarre a primeira coisa que você vê pelo caminho, pois isso lhe fará continuar sem conhecer o amor.

Não tenha pressa para amar e ser amado, mas tenha urgência para se conhecer. Se encontrar. Se conectar com sua verdadeira essência. Então, vá ser feliz com você mesmo. Por que não?

O amor pode demorar a acontecer, mas ele um dia chegará, até lá, por favor, queira se amar muito mais. Não dependa do outro. Queira alguém que some, ao invés de se desgastar com uma pessoa que arranca suas esperanças.

Jamais se esqueça de que ser corajoso implica muitas coisas, inclusive amar.

É uma escolha de cada um.

Por isso, me desculpe se eu não sei amar.

Você sabe?

Continuar Lendo