Colunistas

Para viver a dois, antes, é necessário ser um

Que todos desejamos assistir a um filme com alguém debaixo da coberta, isso é fato. Mas e quando as cenas do enredo são tão tristes quanto a insegurança que a companhia traz? E quando não sabemos o real motivo de não nos satisfazermos em assistir sozinhos? Seria esse um mal-estar do frágil coração? Diríamos que, para simplificar esse possível medo de estar só, revelam-se, no dia a dia, entregas prematuras, que geram mal-estar à alma, desaguando no corpo. Aqui, pretende-se falar sobre os nossos sentimentos, uma vez que eles determinam o que há no coração. Ah, sim… Mas e se houver dentro de nós uma pessoa que queiramos chamar de tesouro? Poderia ser ela mais valiosa que o amor-próprio? Há quem diga que essas perguntas podem ser respondidas com mil argumentos. No entanto, prefiro apostar na ideia de que somos um oceano, e que nem todos os que nos acompanham…

E quando não recebemos amor?

Não importa o quanto tenhamos amor por alguém se esta pessoa não nos quer. Não importa o quão extensos sejam nossos desejos se a pessoa “amada” não nos quer. Não importa o tamanho e a força das nossas esperanças se o outro não se importa. Sabe o que é? Não podemos forçar ninguém a ser como gostaríamos, né? E a pergunta ressoa: o que fazer quando não recebemos amor? Essa é uma verdade cruel de aceitar, mas a vida não é assim? Nunca saberemos se um relacionamento vai dar certo ou não, por isso precisamos correr o risco. Mas até quando? Por toda a vida, eu diria. Até mesmo porque cada pessoa é diferente. Ou será que ter medo de sofrer e ficar paralisado é, também, uma forma de negar o amor? Precisamos parar com tanta idealização, pois expectativa sem sabedoria pode ferir. Mas como viver sem expectativas? Calma, não…

Emoções sustentáveis geram sentimentos sustentáveis

Na moda de um novo amor, na voga da novidade liquidez, faltou algo que ditasse o rumo. Sentia falta de algo, enquanto outro sentia acolá, igualmente. Era a falta de sustentabilidade afetiva que nos ausentava, incompletava, era adornar o que de nós dá sustento. Quando nossas emoções sustentáveis geram sentimentos sustentáveis? Foram coisas assim que premiam, urgiam, rugiam sem saber. O nome disso, a nomenclatura daquilo. Tão esquecidos numa rotina polvorosa, de discursos decadentes, que se contradizem por novidade. Eu apenas me calava na indagação de uma novidade por novidade. Ser novidade só por ser. Isso que amanhã é descartável, como copo plástico, pessoas de plástico e afins de plástico. O que era a cultura do “novo”, agora já é tarde, como o vai e volta de nossas vidas, indo e vindo no espelho embaciado do banheiro. Fotos trocadas, post´s veraneio de uma vida boa, caras gentis, contrastes reais. O…

Se acostume: as pessoas vão embora

A vida é uma é uma grande e incansável roda gigante, girando e mudando as coisas dia após dia. Mas quantos de nós estamos preparados para essas voltas? Quantos de nós aceitamos o novo? Quantos de nós sabemos a hora de ir embora? Nosso desespero, por manter tudo no controle, o tempo todo, faz com que sejamos infelizes. Você, com o passar o tempo, começa a perceber que não pode ter o domínio sobre todos os acontecimentos, imagina então sobre os sentimentos das pessoas e dos seus próprios? Impossível decifrar todas as coisas do coração. Mas não é tão difícil, embora seja doloroso, reconhecer o momento onde vemos que tudo que esperamos do outro não está acontecendo e que por isso é hora de ir. Ir se encontrar com suas próprias verdades. Ir se libertar dos medos sociais. Ir amar outra pessoa. Ir cicatrizar seu coração. Ir realizar novos sonhos.…

Fale da sua dor…

Fingir que não está doendo é ilusão. É jogar sujeira embaixo do tapete. Mas e quando vir à tona o que foi guardado e, temporariamente, esquecido? Como será sua reação? Todos passamos por desilusões, porém podemos voltar a enxergar sentido na vida, mesmo que algo, ai dentro, esteja doendo. A única forma de fazer um ser humano enxergar suas dores, nomeá-las e buscar uma solução, é permitindo-o falar o tanto que quiser…Fale da sua dor Ás vezes, ou em quase todos os momentos, só queremos alguém que nos escute, que nos ceda um ombro ou que, simplesmente, nos abrace. No entanto, na correria do dia a dia, cada vez mais as pessoas estão profundamente ocupadas e correndo para lá e para cá. Mas já pensou quantas dores, mortes, depressões e doenças seriam evitadas se pudéssemos ouvir a dor de alguém e quando precisarmos termos alguém que também faça isso?…

O AMOR SEMPRE CHEGA

Você sabe que nada está realmente perdido, não é mesmo? Você sabe que nenhuma dor machuca demais a ponto de nunca ser remediada, né? Você sabe que por mais saudade que sintamos, ainda assim, não morremos, correto? Você sabe que mesmo tendo sido “deixado”, nem todas as pessoas farão o mesmo, tudo bem? Você aprende que tudo nessa vida passa, entende? Você começa a aceitar que antes de amar alguém deve amar a si, ok? Você, então, concorda que muitos lhe machucaram, mas um dia chegará àquela pessoa que não fara isso, beleza? O amor sempre chega… E é com tantas interrogações, porque a vida é feita de mais perguntas do que respostas, que as coisas vão fazendo sentido em nosso dia a dia. Já reparou nisso? Um dia chegará àquela pessoa que vai desejar estar ao seu lado em silêncio, e mesmo assim terão bons momentos juntos. Que vai…

E se você for esquecido?

Qual é o legado que queremos deixar para as pessoas? Quais são nossos maiores medos? Por que temos a necessidade de atenção? Por que alguma pessoas, em busca de aplausos, são capazes de coisas absurdas e desumanas? Atitudes que podem ir desde um assassinato até o sepultamento do amor-próprio, o que com certeza deve ser considerado uma grande perda, porque o amor-próprio não deve ser arrogante, mas também não pode ser ausente. A vida é feito no equilíbrio de todos os sentimentos. No entanto, em busca desse equilíbrio existem aqueles que farão de tudo para não serem esquecidos. Talvez porque estão sempre dependendo de elogios? Talvez porque confundem carência com amor? Talvez porque nunca tiveram atenção dos pais e buscam isso nos amigos? Talvez porque o rosto não é como o da modelo da revista que tem gratuita atenção de multidões? Talvez porque estão, todo dia, nos dizendo que ser…

Deixe as folhas caírem…

Muitas árvores passam um bom tempo observando os viajantes, que somos nós, insistentes em se apegar ao velho passado, até que o dia chega e as folhas, uma a uma, começam a cair para que um novo tempo surja, com oportunidades melhores, sonhos renovados, abraços mais quentes, desculpas pedidas e, principalmente, muita coragem para viver cada circunstância sem sermos vitimas o tempo todo. Mas será que todos aceitamos a dor de deixar as folhas caírem? Será que deixamos cair aquele trabalho que já não traz mais satisfação? Será que deixamos cair aquele relacionamento que faz mais mal do que bem? Será que deixamos cair o medo e construímos mais sonhos? Será que deixamos cair o pessimismo e renovamos, dia a dia, nossa fé? Será que deixamos cair o amor-próprio para satisfazer o outro? Não temos a vida inteira pela frente, porque no passado e no futuro não se realiza nada.…

Por que você perde tanto tempo?

Você não pode achar que a vida é fácil e que todas as pessoas farão o que seu coração acredita ser o certo e justo, tão pouco deve enlouquecer com a ideia de que cairão presentes do céu para transformar o seu dia. Sabe o que a gente tem que fazer? Se permitir ser gente. Gente que cai e levanta. Gente que para e recomeça. Gente que cansa, mas não desiste. Gente que espera mais de si do que dos outros. Gente que não perde tempo. Aprecie cada momento e mergulhe em sua alma, só assim poderá perceber se vale a pena investir suas energias em um projeto ou relacionamento, lembrando que cada escolha tem uma consequência. Tudo que é feito com extrema dedicação, em algum momento, retornará como beneficio. Não estamos falando de milagres, mas de ação e reação, e essa é a lei mais forte e real que…

Para o meu grande e novo amor

Já pensou em como será a próxima pessoa que fará seu coração disparar mais rápido? Será que ela gostará dos mesmos filmes? Será que irão olhar as estrelas e contá-las como um casal verdadeiramente apaixonado? Ou será que vão, por imaturidade e medo, repetir os mesmos erros de relações anteriores? Antes de responderem essas perguntas, compreendam que pessoas inteiras vivem as melhores experiências a dois, ou seja, não espere do outro o que já deve existir em você: amor. A realidade de um relacionamento pode parecer muito complexa, mas podemos torná-la simples se aceitarmos que cada um tem um jeito de ser, e que todos, em algum momento, já acordamos de mau humor, mas isso não pode estragar nosso dia. Em algum momento já nos recusamos a fazer isso ou aquilo, mas ainda assim não se pode permitir com que detalhes destruam a beleza dos sentimentos. É preciso mais paciência…

Navegue
teste