Postagens sobre empatia

Meditar e fazer o bem nos aproxima da felicidade

Felicidade - Chirles Oliveira - 6 de março de 2018

Muitas pessoas pensam sobre o que as tornam felizes, mas no fundo acham complicado viver esse desejo tão intrínseco no cotidiano. Atolados pelos afazeres como trabalho, estudos, trânsito, obrigações, e até a demanda com as redes sociais, a pessoas veem o dia passar e a felicidade não chegar. Continuar Lendo

Continuar Lendo

Resgatando nosso altruísmo

Vida Saudável - Camila Napolitano - 30 de maio de 2017

Nascemos seres altruístas, mas conforme somos impactos pela cultura do meio em que vivemos, pelos ensinamentos dos nossos pais, pela escola, pelos amigos que vamos conhecendo, isso vai se tornando oculto, só se revelando, quando estamos ao lado de pessoas próximas, que conhecemos e que nos damos bem.

Continuar Lendo

Continuar Lendo

Por que falamos tanto em empatia? Por que ela é tão importante?

Colunistas, Felicidade - Chirles Oliveira - 15 de maio de 2016

“Empatia é ver o mundo com os olhos do outro e não ver o nosso mundo refletido nos olhos dele” Carl Rogers.

Você já se colocou no lugar do outro? Compreendeu como determinada situação afetaria este alguém? Como bem disse Carl Rogers, já olhou o mundo usando as lentes de outra pessoa?

A perspectiva com que observamos os problemas e as situações varia para cada pessoa e varia com o posicionamento que tomamos na vida. Conseguir perceber o mundo pelos olhos do outro é poder enxergar o que ele enxerga em seu posicionamento, que é diferente do meu.

esculturaTome como exemplo esta fotografia. Para quem olha a estátua deste ângulo, a moça que está de pé toca os seios da outra. Mas, para quem observa a escultura de frente, perceberá que, na realidade, a moça toca o ombro da segunda mulher. As reações para cada ponto de vista serão, certamente, bem diferentes, concorda?

“A empatia diz respeito à capacidade de compreender o outro através do seu ponto de referência”. Cormier, Nurius e Osborn (2009)

O QUE É EMPATIA?

Chamamos de ‘Empatia’ a capacidade que um indivíduo tem de ver e sentir o mundo pelos olhos do outro. Significa, portanto, a capacidade de distanciar de seus próprios interesses, ponto de vista e necessidades, para entender, aceitar e promover os interesses, ponto de vista e necessidades dos outros.

Empatia também costuma ser confundida com os conceitos que fazemos de ‘simpatia’ e ‘identificação’. A simpatia “envolve a atenção aos próprios sentimentos e à semelhança existente entre eles e os da outra pessoa” e, por sua vez, a identificação implica em “atribuir os próprios desejos e atitudes ao outro, pelo desejo de ser como ele” (Palhoco, 2011). O que se distingue aqui, principalmente, é o foco da atenção:

Empatia –> Foco no outro, compreendo e sinto o que ele pensa e sente.
Simpatia –> Foco nos meus sentimentos e no que há de comum com os sentimentos do outro.
Identificação –> Foco em mim e atribuição dos meus desejos e sentimentos ao outro.

A empatia também pode ser definida tanto por uma perspectiva emocional quanto cognitiva. Empatia cognitiva consiste numa percepção da realidade do outro a partir do seu ponto de vista, é a compreensão intelectual e racional do outro. Enquanto a Empatia emocional consiste na capacidade de sentir com ele e de identificar seus sentimentos, emoções e experiências afetivas.

POR QUE SER EMPÁTICO É IMPORTANTE?

A capacidade de ser empático é fundamental no estabelecimento de relações interpessoais, pois constitui fundamento essencial à regulação das necessidades dos outros, tal como acontece, por exemplo, entre as mães e seus bebês recém-nascidos, ou entre os terapeutas e seus clientes em psicoterapia (Palhoco, 2011).

mae-e-bebe

fonte de imagem: paroquiavila.com.br

Quando a mãe vê seu bebê chorando, é empática ao reconhecer seu estado interior e busca dar-lhe o que necessita. Assim, esse reconhecimento permite abrandar os medos e agressões do outro. Cria-se um clima de acolhimento entre os envolvidos, permitindo que os efeitos positivos se perpetuem. No outro exemplo, o terapeuta ao reconhecer os sentimentos do paciente, possibilita que ele desenvolva um sentimento de aceitação pessoal e compreenda que as suas emoções são válidas e fazem sentido.

Além disso, A EMPATIA NOS PERMITE: uma compreensão melhor do outro com o qual nos relacionamos; podemos adotar intuitivamente as experiências dos outros como se fossem nossas (aprendizagem); permite um intercâmbio de experiências; e também podemos conhecer a nós mesmos através do espelho da outra pessoa.

Contudo, a empatia não é um sentimento puramente humano. Ficamos encantados quando observamos animais demonstrarem comportamentos de empatia para com outros seres vivos. Por exemplo, um cão que salva um bebê abandonado por sua mãe em uma lata de lixo ou o leopardo que matou um macaco adulto e passou a cuidar de seu filhote órfão.

Os seres vivos que convivem em sociedade ou próximos de outras espécies, precisam ter uma boa capacidade de percepção mútua. Para sua segurança e sobrevivência é importante que possam reconhecer facilmente o amigo e o inimigo, os estados de amizade e hostilidade.

O que nos leva a questionar: Existe algo de biológico na característica da empatia?

Conhecemos ao menos uma base neurobiológica essencial para essa capacidade de participar emocionalmente da vibração de outros e adentrar intuitivamente em seu íntimo: Os neurônios-espelho!

“Sentimos os outros: sentindo seus sentimentos, seus movimentos, suas sensações e emoções, enquanto eles atuam dentro de nós”. Ana Rita Palhoco (2011)

NEURÔNIOS-ESPELHO – NEURÔNIOS DA EMPATIA

Tanto nós humanos, quanto outros seres vivos, somos facilmente contagiados pelas emoções dos que nos cercam. Em um jogo de futebol, por exemplo, milhares de pessoas gritam juntas ou sofrem juntas. Estão compartilhando suas emoções. Veja um exemplo nesse vídeo delicioso, onde uma pessoa começa a rir e contagia todos a sua volta.

Os neurônios-espelho foram descobertos, tanto nos cérebros de humanos quanto de outros animais. Eles “tornam as emoções contagiosas, fazendo com que os sentimentos que observamos fluam através de nós, ajudando-nos a entrar em sincronia e acompanhar o que está a acontecer” (Palhoco, 2011).
A relação entre os neurónios espelho e a empatia foi encontrada numa investigação realizada por Hutchinson e outros pesquisadores, onde foi possível verificar que existe ativação neuronal quando o sujeito antecipa a dor, mas também quando vê outra pessoa recebê-la, o que demonstra um sinal neural de empatia.

Estes neurônios têm por função refletir as expressões corporais e emocionais dos outros e proporcionar um funcionamento paralelo entre dois cérebros, permitindo assim que haja ressonância empática, pelo que parecem deter um papel relevante na capacidade de gerar empatia pelas experiências e pelas emoções dos outros.

O que nos torna capazes de compreender o que se passa com aquele com quem interagimos não é de início a troca de ideias, a comunicação verbal. Percebemos o estado do outro através dos nossos sentidos de um modo natural e inconsciente. Nossas emoções são expressas, primeiramente, pelos circuitos dos músculos faciais, permitindo que os outros as leiam e por sua vez, os neurônios-espelho asseguram a experimentação instantânea do mesmo sentimento. Ou seja, as emoções expressas tenderão a ser percebidas e experimentadas pelo outro, que poderá compreendê-las. O contágio emocional pode então ser entendido como uma forma primitiva de empatia.

Com tudo isso percebemos a importância da empatia. Se não é possível viver em ambiente social sem interagir com os que nos cercam, tão difícil quanto é interagir sem compreender o que o outro sente ou como percebe nossas ações.

Referências Bibliográficas

MIGUEL, F.K., e NORONHA, A.P.P. (2006). Estudo da Inteligência Emocional em Cursos Universitários

NORONHA, A.P.P. (2006). Estudo da Inteligência Emocional em Cursos Universitários

PALHOÇO A.R.M.S. (2011). Estudo da empatia e da percepção de emoções em psicoterapeutas e estudantes de psicologia. (Dissertação de mestrado) Universidade de Lisboa, Portugal.

ROGERS, C. R. (1974). A Terapia Centrada no Paciente

VASCO, A. B. (2007). Quando Menos é melhor: A Arte de Comunicar em Psicoterapia

Texto compartilhado em parceira com o site Dialogopsi, de Júlia Maria Alves, Psicóloga e fundadora da Diálogo- Espaço de Psicologia e Qualidade de vida

Siga no Facebook Dialogopsi

 

Continuar Lendo