Consumo Consciente

Vamos nos ver na Virada Sustentável?

Precisamos consumir para viver, mas devemos reconhecer que nós consumimos em excesso. Consumimos o supérfluo, consumimos sem pensar, e muitas vezes por puro impulso. Você pode pensar…”ah, mas não consumo tanto assim”. Individualmente, parece que o impacto é realmente pequeno. Mas, imagine toda a população do planeta, os quase 7 bilhões de habitantes consumindo igual você, gerando a mesma quantidade de lixo que você, necessitando de tantos recursos naturais. Ah, assim assusta, né?   Pensar a sustentabilidade é pensar no coletivo, é pensar na necessidade de muitos e também no das futuras gerações. Pensar a sustentabilidade é provocar-se na reflexão do que realmente é necessidade e do que é desejo provocado, impulsionado pelo sistema do ter. Pensar em sustentabilidade é acreditar em justiça social, no equilíbrio das forças naturais e produtivas, no respeito à diversidade das nações, povos, indivíduos.   Como não pensamos muito sobre isso, pois não fomos educados para…

Cartão do Banco & Game Over!

Depois de uma hora na fila do Banco, pensei: começamos bem! Percebi que ele estava um pouco tenso, afinal era a sua primeira visita ao banco como cliente, e eu fiz questão de acompanhá-lo.  Aos 14 anos já é um rapaz e finalmente chegara a hora de começar a pensar em dinheiro.   No caminho até ao banco, ele estava feliz e então aproveitei para dizer-lhe algo que eu queria ter ouvido aos 13 anos… que a independência financeira é umas das mais importantes liberdades que uma pessoa pode conquistar na vida, e que quanto mais cedo entendermos isso, menos dependência do dinheiro teremos, e mais livres seremos. Não é apologia ao dinheiro, é dar a “ele” a devida importância e respeito, conforme o ditado: “não existe almoço grátis!” Ninguém consegue ser totalmente livre se não conquistar a liberdade financeira. Continuei explicando, mesmo ele revirando os olhos de tédio ao me…

Algumas novidades do mercado orgânico e sustentável na 11ª Feira Internacional

  Hoje tive uma experiência maravilhosa por causa do blog, pois há tempos não participava de um evento como jornalista ou assessora de imprensa e muito menos como veículo de comunicação. Divulgamos o blog para algumas marcas participantes  da Bio Brazil Fair / Biofach America Latina – 11º Feira internacional de Produtos Orgânicos e Agroecologia, que acontece de 10 a 13 de junho de 2015 no Pavilhão da Bienal do Ibirapuera, em São Paulo.   Foi impressionante ver a quantidade de estandes e marcas do mercado de orgânicos. Na verdade, são 122 expositores e centenas de opções como alimentos orgânicos in natura, congelados em geral, cosméticos, biojoias, confecções, acessórios, produtos pet, dentre outros.    Claro que o mercado acompanha a tendência dos consumidores que buscam uma vida mais saudável, mais simples e natural, preocupados com o que vão deixar para seus filhos, ou mesmo para as futuras gerações.   Por…

A economia do UM garante recursos para TODOS

“99 não é 100 e uma latinha faz a diferença e completa as 100”, essa frase é do Sr. Valter, personagem do premiado documentário Lixo Extraordinário (2010), do artista plástico Vik Muniz, demonstrando a importância da economia do UM. Dificilmente pensamos que o desperdício de algo material possa impactar tanto na destruição do planeta, e, consequentemente, de nossas vidas. Já parou para pensar que formamos uma grande teia, uma rede viva com os ecossistemas do planeta? Assim, a ação de uma pessoa impacta direta ou indiretamente a vida dos outros e do Todo. Pensemos que são ações individuais que desencadeiam as ações coletivas, que se transformam em comportamento generalizado. Estava pensando sobre o que escrever para o Dia Mundial da Água comemorado no último domingo, dia 22 de março, e me veio essa ideia simples e interessante sobre a economia do UM. Já parou para pensar sobre o que representa…

Minha mãe é uma cidadã sustentável!

Filha de peixe, peixinha é!Antes de decidir pelo Jornalismo, queria fazer Biologia Marinha (as reportagens sobre o fundo do mar me fascinavam). Pensando bem – e só agora me dou conta disto –, esse encanto pela natureza é um traço na minha vida acadêmica. Sou formada como técnica em Geologia na antiga ETFRN[1], em Natal, hoje IFRN[2].No meu tempo de faculdade, não existia sequer discussão sobre Globalização, muito menos Meio Ambiente, Mudanças Climáticas ou coisas afins. E, por isso, atribuo meu interesse pela sustentabilidade aos programas Repórter Eco e Planeta Terra, que assistia na TV Cultura.Se existia uma semente de interesse, ela encontrou um terreno fértil quando decidi estudar no Mestrado exatamente essa temática. Eu queria pesquisar sobre algo que mexesse comigo, que fosse apaixonante. E minha dificuldade como pesquisadora foi exatamente aprender a me distanciar e olhar meu objeto de estudo com imparcialidade, sem levantar bandeiras. Dei trabalho para…

#Oquefazvocêfeliz? Vamos analisar esta questão?

Será que precisamos realmente de tudo o que compramos? No filme “Os delírios de consumo de Becky Bloom”, vemos uma representação, de certa forma bem humorada, do “american way of life”, ou melhor, do estilo americano de viver. Mas, claro, não é uma representação apenas da sociedade americana. Esse estilo está disseminado de forma global e várias culturas baseiam-se nessa corrida  às compras desenfreadas como sinônimo de alívio de tensões, prazer e satisfação. Trabalhamos duro, suamos a camisa para ter momentos de satisfação nas compras. Exagero ou realidade? Compras, cartões de crédito, impulsos, vitrines, foco na aparência. Armadilhas bem estimulantes vendidas como propagadoras de felicidade. Ou, ainda, como qualidade de vida. Sim, somos envolvidos desde crianças pela cultura do consumo, no universo de shopping, lojas, moda, modismo, gostos e não gostos. Influências vindas de nossa casa, da escola, dos amigos, dos meios de comunicação, do cinema, enfim, de todos os…

Entendendo como tudo começou…

O discurso da sustentabilidade, oriundo de grupos minoritários até então ─ambientalistas, militância anticorporação, movimentos sociais, etc. ─ começa a ocupar espaço privilegiado, conquistar a grande mídia e a agenda internacional, sobretudo, a partir da conferência ECO-92. Ao entrar para o mainstream, a sustentabilidade desponta como nova tendência, capaz de influenciar as ações de governos, empresas e indivíduos. Nossa correlação com o meio ambiente fica cada vez mais evidente e ignorar esse fato é uma missão quase impossível. Afinal, estamos sentindo na pele todos os efeitos das mudanças climáticas. Nesse contexto, o discurso da responsabilidade social empresarial e do consumo dito consciente pode ser entendido como estratégia de negócio e de fortalecimento da imagem corporativa e reputação das organizações. A busca por melhor visibilidade da marca pós-moderna fez com que algumas empresas ocupassem papel mais social e investissem em ações outras, que valorizassem sua imagem institucional, criando projetos que atendam aos…

Navegue
teste