Consumo Consciente

Que venha o outono com sua riqueza e sabedoria

Que saibamos apreciar a riqueza de cada estação e o novo ciclo É tempo de observar a natureza. Observar os ciclos da terra. Observar a sabedoria das árvores e a riqueza do solo. Que recebamos o outono com sua riqueza e sabedoria. É hora da transição entre a euforia do verão para o recolhimento do inverno. É tempo de colheita, de acolher, de guardar para o frio, e de agradecer por tudo que nos foi dado até aqui. De honrar nossas conquistas, nossa família, nossos antepassados, nosso ser com suas dores e sombras, luzes e paz. É momento de introspecção e silêncio. É tempo de ventos, ventanias, de brisas e de movimentos sutis. É hora de ir para caverna e encontrar o conforto nos braços da Grande Mãe. É hora de entrega, de desprendimento, de deixar as folhas cair e nutrir o solo para o que estar por vir. Entramos…

Somos tão tecnológicos. Somos tão solitários

Vamos viajar no tempo? Naquelas épocas em que nossos antepassados sentavam-se à mesa para escrever longas cartas onde queriam registrar seus sentimentos para alguém que, de tão longe, esperava aquele papel, que poderia significar uma esperança, uma alegria, um motivo a mais para sonhar ou, simplesmente, uma verdade: ainda existe alguém que se importa comigo em um mundo tão grande. Você continua tendo essa sensação, de que em meio ao excesso de tecnologia alguém verdadeiramente se importa em parar um pouco e lhe doar tempo, atenção e abraços calorosos? Se não há ninguém, há os aparelhos – amparados pelas escandalosas mensagens publicitárias –,  para lhe fazer sentir acolhido e menos sozinho. Mas será que eles podem suprir a companhia de alguém que pode te olhar nos olhos e demonstrar com o coração que estará ao seu lado sempre que precisar? Quais são mesmo os valores dessa sociedade? Quais são as…

Menos consumismo é igual a mais liberdade e qualidade de vida!

16 de março é dia do consumidor, mas no lugar de ir às comprar que tal refletirmos sobre o consumismo que rege boa parte da prática da cultura do consumo? Você compra por necessidade ou desejo? Você se considera um consumidor consciente? O mundo está mudando, e há um movimento chamado de economia para transição pautada na experiência e não na posse. Há também milhares de adeptos do Movimento Simplicidade Voluntária que se inspiram no livro com o mesmo nome, de Duane Elgin. Neste livro, o autor propõe um estilo de vida mais simples, mais próximo da natureza, com menos consumo e mais consciência pessoal, social e ambiental. Na verdade, este movimento comunga com o propósito da sustentabilidade que prima pelo equilíbrio de três aspectos: social, econômico e ambiental. Duane enfatiza que a adoção de hábitos mais simples está menos no exterior, e mais focada no interior das pessoas, em suas…

Não tem graça rir sozinho: Capitalismo e novas formas de consumo.

Assim começou o meu dia: – Mãe, quanto você acha que valem esses sapatos? Só usei  4 vezes, disse minha filha. – Eu indaguei – Por quê? – Ela respondeu: Porque eu vou vender no brechó da faculdade via Facebook. Três dias depois. –  Mãe:  já vendi os sapatos, obrigada, o preço estava bom, vendi rapidinho, vou entregá-los amanhã. Esta cena tem sido recorrente em casa e no mundo hoje em dia. Preste atenção, não é modinha do momento e um padrão de consumo que está mudando o comportamento dos jovens e da sociedade.  Ainda é um movimento tímido, mas presente e tem tudo para ser a nova cara do consumo, divertido, descolado e fácil. México, Chile e outros emergentes, (incluso Brasil) bem como os países da OCDE, organização que reúne as nações mais industrializadas do mundo estão noticiando uma desaceleração no crescimento desde o ano passado. Entretanto, países, digamos…

Economia solidária: um jeito diferente de fazer negócio

Hoje em dia fala-se muito sobre Economia solidária: um jeito diferente de fazer negócio e espero ser eu, a única solitária sobre o assunto. Confesso que não foi difícil encontrar boas pesquisas sobre o assunto, mas foi um pouco complicado pensar sobre um conceito tão simples e tão bonito. Estamos acostumados com as complicadas coisas sobre economia tradicional e compreender esse conceito nos deixa confuso, foi assim que fiquei. Solidária ou Solitária? Mas vamos pelas beiradas já que na economia solidária a principal ideia é não complicar e sim democratizar. Em princípio, a Economia Solidária é explicada como um modo de produção em que não há a clássica divisão da sociedade em duas partes: proprietária dominante e propriedade subalterna.   Como assim? Isso mesmo, as empresas solidárias estabelecem que todos os que detêm a propriedade necessariamente trabalham nela e, portanto, impossibilita ter uma classe que viva apenas dos rendimentos do capital sem…

A Espera do Natal

Esperar o Natal nem sempre é muito fácil, pois ficamos cheios de expectativas, ansiosos e com aquela sensação de que novembro vai durar 60 dias.  Essa expectativa de felicidade futura, não é ruim, pode ser legal, mas se administrada corretamente. E pensando sobre isso, lembrei-me de uma ocasião. Era novembro e como as mães de primeira viagem, estava cheia de ideias e energia com os filhotes.  E algo me incomodava muito no Natal, a impaciência dos meus pequenos na hora de ganhar os presentes. Eles mal cumprimentavam os parentes porque estavam compenetrados nos embrulhos em suas mãos, e no fundo eu senti um pouco de vergonha.  Então, decidi fazer uma experiência com meus filhos. Eles tinham 4 e 7 anos na época. A ideia era fazê-los aprender a lidarem com a expectativa, ansiedade e frustação. Como será que se ensina a lidar com a ansiedade? E como se aprende?…

Mulher maravilha volta ao lar

Todos os dias às 5 horas da manhã já acordava me sentindo cobrada e atrasada – e era apenas um dia comum de trabalho. Como sou divorciada e moro com meus dois filhos não tem divisão: todas as tarefas de casa passam por mim. Convencer os filhos a irem para escola, uniformes, lancheiras, escovar os dentes, reclamações, promessas e beijinhos apressados. Cardápio do jantar e do almoço na cabeça memorizando para ganhar tempo, lista do supermercado na bolsa, marcar dentista, ortopedista e oftalmologista para os filhos, abastecer o carro, pagar contas, ligar para o pai que andava doente, verificar as agendas escolares, pegar o livro do mestrado para ler no almoço, rascunhar o relatório sobre a reunião de ontem para o chefe, enviar uma dúzia de emails e ler outro tanto durante o café e, então, ir para a rotina diária de 13 h de trabalho. Ufaaaa…tarefas de uma mulher…

Consumo & Experiências

Após um mês mochilando pelos EUA voltamos para nossa vidinha diária e só posso dizer que aprendi o valor do custo agregado do Whatsapp. Fantástico. Economizamos muito com telefones.  Saí do Brasil com medo do cartão de crédito e firme no propósito de não sucumbir às delícias do consumo, já que estaria com uma adolescente de 16 anos a tiracolo. Após mais um dia de Arte & Galerias em WDC, ao voltarmos para o hosteldeparamos-nos com uma “mega super blaster” loja de departamentos. Os olhos atentos da garota ao meu lado brilharam e ela gritou: “mãe é a Forever 21, vamos entrar!”.  Fui literalmente arrastada para aquela loja colossal. Senti um cansaço só de olhar as escadas rolantes, como uma montanha russa indo e subindo com dúzias e até centenas de mulheres, homens, crianças carregando roupas, sapatos, bolsas e etc… nos braços, ombros, ( para quem é de São Paulo,…

A Utilidade das coisas…

Viajar com uma adolescente de 16 anos para os EUA é uma lição de economia, geografia e resistência, nada suave…   Esta viagem é o resultado de um teste empírico em que a mãe, esta que vos escreve, fez com seus pimpolhos quando estes estavam com 12 e 9 anos.   Na ocasião pedi aos meus filhos que olhassem para o globo terrestre e escolhessem um país para a viagem dos seus sonhos, e valia qualquer lugar.  A ideia surgiu a princípio para dar-lhes a visão objetiva de que nada é muito longe ou muito perto, nada é impossível, e tudo pode ser impossível. Tudo ou nada depende de nós mesmos e pode acontecer se assim desejarmos e planejarmos. Sem direitos a mimimi!!!   Queria tirar-lhes a ideia material do consumo e incluir o valor do dinheiro para as coisas que não possuem preço. Podemos consumir sonhos? Qual é o…

Design sustentável na sua casa

Vaso Batucada de Brunno Jahara No início desse mês visitei a exposição Ecodesign Brasil promovida pela Leroy Merlin, quando 15 designers brasileiros demonstraram em suas peças que é possível produzir móveis e objetos sustentáveis e bonitos. A mostra possui desde delicadas peças desenhadas pelo design Sergio J. Matos que exaltam o artesanato brasileiro utilizando materiais encontrados na natureza como fibras e folhas, até móveis que pensam em toda uma cadeia sustentável que leva em conta a matéria prima, maquinário, funcionários, funcionalidade, durabilidade e custo do produto, como os produzidos por Fernando Jaeger e Paulo Alves. Tunico Lages busca no cerrado a matéria prima para seus móveis e transforma a madeira morta, que teria destino certo nas carvoarias,  em cadeiras e mesas únicas. Através das mãos destes talentosos designers papelão torna-se poltrona e pneus são descoladas fruteiras. A transformação de materiais que seriam descartados em objetos úteis e bonitos trazem não somente…

Navegue
teste