Colunistas

Tornar-te a roupa que veste?

    Pensamentos, ações, desejos, hábitos, destinos… Esse é o caminho ditado pela indústria cultural, pelo consumismo, e por essa tal pós-modernidade. Será que tudo isso é um grande exagero? Não, essa é uma grande e complexa realidade contemporânea.   Se hoje as coisas são efêmeras, quebradiças e opacas, como fazer para nos assegurarmos de nossa própria essência? Como se é possível não desafinar a melodia – sustentabilidade de alma e corpo -, quando estamos, por todos os lados, rodeados pela indústria dos “sonhos” e do marketing violador de identidades? É isso mesmo, são agressivos e nos levam a crer que somos o que nossos pés calçam e nosso corpo veste. Isso quando não afirmam – discretamente -, que somente com esse ou aquele produto conseguiremos atingir o sentimento de pertencimento social.   Esse sentimento que angustia os habitantes desse século, no qual mesmo sendo a era das evoluções tecnológicas…

Respire, mude, coragem para ser feliz

Você vai continuar agindo assim até seu último dia? É isso mesmo o que escolheu para sua vida inteira? Que sentido você encontra no que está procurando, fazendo, pensando e sentindo? Escolher mudar, sem dúvidas, nos traz rupturas, medos, confusão e, muitas vezes, bastante sofrimento, porque se conformar é sempre mais fácil.   Mas será que não é de uma mudança que você precisa?   Nem toda transformação pode ser ruim. O que custa arriscar? Às vezes, mesmo nas inquietações, é preciso deixar a tranquilidade aparecer, porque nunca saberemos o que existe atrás do medo.   Muitos, após anos de insatisfação, começam a trocar o trabalho que lutou para conquistar, mas que já não lhe traz mais prazer. Terminam o relacionamento de décadas porque já não sentem que essa é a pessoa a qual gostariam de envelhecer ao lado. Retiram sonhos do armário do conformismo e vestem como roupas da…

Nunca vi alguém morrer de amor

Poderíamos falar que o amor, o mais lindo dos sentimentos, é algo eterno. Mas isso seria uma grande mentira para aqueles que não conseguiram terminar a vida ao lado de uma pessoa? Talvez sim, talvez não. A verdade, quesito óbvio, é que o fim do amor não é quando as pessoas rompem suas relações – porque isso pode acontecer e é perfeitamente normal -, e sim quando as promessas não se realizam e a reciprocidade morre primeiro. Não podemos viver acreditando em eternidade, pois as pessoas mudam e os sentimentos também. Contudo, quando o diálogo vira monólogo, as semelhanças viram intolerâncias, as palavras viram facas, tudo começa a se desgastar e, assim, o que chamamos de amor passa a se chamar fase terminal. No entanto, será que isso é bom? Será que toda relação realmente foi feita para durar? Será que, às vezes, não é melhor se retirar do cenário…

Por que esse desespero?

Já parou para pensar sobre as coisas, nessa vida, que realmente importam? Já se deu conta de que todos os dias temos um espetáculo da natureza diante dos olhos e, por corrermos tanto, deixamos isso passar? Já se perguntou o porquê você está tão apegado a alguém que não tem tempo para você? Já se culpou pela rotina que leva? Por pegar o trem lotado? Por acordar cedo? Não se culpe. Há pessoas que só queriam acordar de um coma. Há pessoas que só queriam que alguma triste doença desaparecesse. Há pessoas, agora, em toda parte do mundo, lutando para sobreviver. Então, por que esse desespero? Não se desespere por ter sido desacreditado, pois muitos gênios ouviram que suas invenções jamais dariam certo. Não se desespere se a pessoa amada não lhe corresponde, pois ela não é a única no mundo. Não se desespere se o seu coração foi partido…

Você tem medo de mudanças?

 Todos os dias temos a oportunidade de mudar tudo para sempre. Mas, quantas vezes pensamos assim? Temos nos preocupado mais com o que as passarelas mostram? Temos olhado mais para o outro ao invés de aperfeiçoarmos nosso interior? Temos sido negligentes com a inteligência que nos foi dada? Temos sido ingratos com o ar que respiramos? Temos desacreditado de nós mesmos só por que não aparecemos nas capas de revista ou não temos, ainda, – e nem precisamos -, os últimos lançamentos do mercado? Que todos possuem um estilo de vida, isso é fato. Porém, não pode ser um fato aceitarmos substitutos, ou seja, menosprezarmos a nós mesmos a ponto de buscar nas roupas, maquiagens ou revistas, um antídoto para a baixa estima. Nossa louca e desenfreada forma de compensar o sentimento de inferioridade tem nos levado a ficar a margem de nossa capacidade e talentos. Já pensou sobre isso?…

PARA QUE SERVE SEU PASSADO?

Pessoas nostálgicas, guardiãs de presentes antigos, e adeptas das lembranças, costumam viver apegadas a tudo que já passou. Mas por que agimos assim se nada realmente é eterno? Por que nos desesperamos se o felizes para sempre não existe na vida real? Por que queremos provar, a todo custo, que precisamos ter alguém ao nosso lado para a vida fazer sentido? Por que estamos excessivamente apegados se o outro não é, nunca foi, e nunca será nossa propriedade? O passado serve para nos fazer aprender alguma coisa, que, essencialmente, assim como ele, deve ficar lá atrás, porque a vida só acontece quando olhamos para frente. Não é verdade? No entanto, quantos de nós temos olhado para trás mais do que deveríamos e com isso temos nos sentindo incapazes? Desvalorizados? Perdidos? Dizer adeus ao que foi bom ou ruim será sempre muito difícil, mas é um processo necessário para adquirirmos maturidade…

Depois do amor-próprio

Já pensou no dilema que vivemos, todos os dias, ao acordarmos e ligarmos a televisão, comprarmos uma revista ou, simplesmente, assistirmos um vídeo no youtube? Essas mídias, as pessoas, as ocasiões, o mundo, o capitalismo, a disputa, tem feito com que, rotineiramente  e, incansavelmente, nos sintamos perdidos e incompletos, ou seja, nos bombardeiam com dicas de como melhorar isso, aquilo e, por fim, deixamos de nos amar para ser mais uma cópia. Diante de tantas coisas ditas e soluções instantâneas, acabamos por nos sentir distantes de nós, obrigando o próprio corpo a seguir a ultima tendência, mesmo quando, no fundo, achamos aquilo careta e estranho. Mas quem quer, nesse mundo tão moderno, se sentir excluído do grupo dos capitalistas, egocentristas e exibicionistas? A todo momento estão nos dizendo como se vestir, como falar, como agir. Mas será que isso não machuca nossos sentimentos? Será que não perdemos nossa originalidade? Será…

SEJA MAIOR QUE SUA DOR

O quanto temos aprendido com as quedas? Quantas vezes queremos desistir diante do primeiro não? Por que estamos, assim, tão cansados? Por que a tristeza tem aumentado ao invés da coragem? Por que, agora, você não começa a caminhar longe das coisas e pessoas que lhe magoaram tanto? Seja maior que sua dor É preciso olhar para trás, mas sem o desejo de voltar. Porque a vida acontece quando nos permitimos. Porque quando perdoamos, trazemos oxigênio para alma. Quando damos a liberdade aos outros, evitamos sofrimentos maiores. Quando acreditamos em um sonho, nutrimos mais energia positiva. Quando resistimos às mudanças, perdemos grandes oportunidades de mudarmos nossa história para sempre. Será que você não está passando por isso? Por mais tempestades que tenhamos enfrentado, simplesmente, temos que ser mais fortes do que a dor que nos invadiu. Porque a vida é feita para os fortes, e não podemos ser vítimas de…

Para viver a dois, antes, é necessário ser um

Que todos desejamos assistir a um filme com alguém debaixo da coberta, isso é fato. Mas e quando as cenas do enredo são tão tristes quanto a insegurança que a companhia traz? E quando não sabemos o real motivo de não nos satisfazermos em assistir sozinhos? Seria esse um mal-estar do frágil coração? Diríamos que, para simplificar esse possível medo de estar só, revelam-se, no dia a dia, entregas prematuras, que geram mal-estar à alma, desaguando no corpo. Aqui, pretende-se falar sobre os nossos sentimentos, uma vez que eles determinam o que há no coração. Ah, sim… Mas e se houver dentro de nós uma pessoa que queiramos chamar de tesouro? Poderia ser ela mais valiosa que o amor-próprio? Há quem diga que essas perguntas podem ser respondidas com mil argumentos. No entanto, prefiro apostar na ideia de que somos um oceano, e que nem todos os que nos acompanham…

E quando não recebemos amor?

Não importa o quanto tenhamos amor por alguém se esta pessoa não nos quer. Não importa o quão extensos sejam nossos desejos se a pessoa “amada” não nos quer. Não importa o tamanho e a força das nossas esperanças se o outro não se importa. Sabe o que é? Não podemos forçar ninguém a ser como gostaríamos, né? E a pergunta ressoa: o que fazer quando não recebemos amor? Essa é uma verdade cruel de aceitar, mas a vida não é assim? Nunca saberemos se um relacionamento vai dar certo ou não, por isso precisamos correr o risco. Mas até quando? Por toda a vida, eu diria. Até mesmo porque cada pessoa é diferente. Ou será que ter medo de sofrer e ficar paralisado é, também, uma forma de negar o amor? Precisamos parar com tanta idealização, pois expectativa sem sabedoria pode ferir. Mas como viver sem expectativas? Calma, não…

Navegue
teste