Meditar e fazer o bem nos aproxima da felicidade

Muitas pessoas pensam sobre o que as tornam felizes, mas no fundo acham complicado viver esse desejo tão intrínseco no cotidiano. Atolados pelos afazeres como trabalho, estudos, trânsito, obrigações, e até a demanda com as redes sociais, a pessoas veem o dia passar e a felicidade não chegar.

Mas se a busca pela felicidade é tão antiga – datada pelas reflexões de Aristóteles (384 a.C a 322 a.C) na Grécia, que afirmava que a felicidade era o maior bem do homem -, por que parece tão complicado atingir essa tal felicidade?

Aristóteles afirmava que a felicidade se expressava tanto no viver bem quanto no fazer o bem, e talvez possamos descomplicar essa busca refletindo sobre essa afirmação. Quando buscamos a felicidade pautada somente no “eu”, no “ego”, no “ID” dificilmente sentiremos a felicidade autêntica ou plena, pois estamos acolhendo apenas uma parte do viver bem!

No documentário A Revolução do Altruísmo que é também o título do livro do Monge Budista Mattheu Ricard , considerado o homem mais feliz do mundo, há vários relatos de pessoas que conquistaram esse estado de felicidade a partir do momento que conciliaram suas buscas pessoais de felicidade com o fazer o bem ao próximo, alimentando a corrente do bem ao fazer algo de bom pelo mundo.  Pode ser uma pequena ação, um pequeno passo, mas que impacta positivamente na vida do outro e, consequentemente, na própria vida.

Quando mudamos o foco dos pensamentos negativos de nossas vidas e passamos a focar na bondade amorosa e na compaixão, mudamos também nossas conexões neurais e vibramos na gratidão, no amor, na alegria, na compaixão, na empatia, na fé, na inteireza e tudo isso gera um sentimento de felicidade e de prazer natural no cérebro, no corpo e na alma.

Veja como a atriz Juliana Paes alcançou esse estado de empatia e serenidade na série sobre meditação transmitida no programa Bem Estar.

Li em algum lugar essa frase “Mude sua mente e mude o mundo”. Nessa mesma linha, lembro-me da frase emblemática do Gandhi “Seja a mudança que você quer ver no mundo”. Essas palavras inspiradoras contém em essência a verdade de que podemos transformar nossa realidade. De que somos protagonistas do nosso destino e que podemos não apenas pensar na felicidade, mas também agir em direção a ela.

Pensamento e ação devem caminhar juntos nesse encontro com a felicidade sustentável. Uma felicidade que diz respeito a si e ao próximo, bem como ao respeito pela natureza, pela Mãe Terra, como demonstrando no filme Moana – As aventuras do mar

 

Não podemos controlar a vida, mas podemos escolher deixá-la fluir.  

É uma ilusão pensar que fazendo tudo certinho…(tendo uma alimentação saudável, praticando exercício físico e meditação ) a vida está sob controle. A única certeza é a impermanência. Então, não vamos gastar nossa energia vital à toa,  com aquilo que não podemos controlar.

Não podemos parar o tempo, mas podemos usar o tempo a nosso favor.

Como isso é possível? Quando escolhemos viver com autenticidade, com inteireza, com propósito, com alegria, ouvindo a voz do nosso coração, mesmo tomando decisões que contrariam o senso comum da sociedade.

Tem muita gente dando guinadas e escolhendo outras experiências, criando outras realidades, vivenciando sua potência em outras profissões ou trabalhos como é o caso do Gustavo Tanaka, da Gabriela Moya, do programa Criando nossa Realidade,  Clarissa Medeiros, Camila Napolitano, do projeto Plante Amor, Gui Barreto e tantos outros exemplos relatados também na série Fora da Caixa, do GloboSat. Vale a pena conferir essas histórias transformadoras de jovens que acreditam nas infinitas possibilidades da vida.

Quando trocamos a correria frenética e fugaz pela observação e presença no aqui e no agora, sentimos que a vida pode tomar uma direção mais tranquila, intensa e feliz.

Portanto, onde estiver e com quem estiver, esteja presente, pois é na presença da vida e da respiração, ou seja, na presença do SENTIR que podemos acolher nossas dores, angústias e sombras, com a bondade amorosa, equanimidade e a compaixão que vem naturalmente do nosso coração.

Muitas pessoas vivem perdas de pessoas ou de trabalho, recebem um diagnóstico de uma grave doença para poder mudar hábitos e se reconciliar com o tempo. Esse foi o meu caso e você pode acompanhar nesse vídeo um breve resumo da minha história. Mas, acredito que  nem todas as pessoas precisem passar por um grande sofrimento para mudar a chave e fazer a escolha por uma vida com mais sentido e propósito.

Se você está passando por esse momento de transição, ou já vez a virada, compartilhe conosco. Conte-nos sua história de mudança, de encontro consigo mesmo! Vamos adorar ouvir a sua “voz”.

Abraço Fraterno!

Namastê!

4 Comentários

  1. Camila Napolitano

    É isso mesmo!
    A chave é mudar nossa realidade, também não acredito que precisamos passar por algo difícil para começar a mudança, por mais que isso tenha se tornado uma espécie de padrão na nossa sociedade, mas acredito que o importante é começar, de uma forma ou de outra.
    Obrigada pela lembrança e obrigada por acreditar ♥

    • Chirles Oliveira
      Chirles Oliveira Reply

      Querida Camila, que encontro lindo o nosso hein?! Estamos no mesmo barco, descobrindo o que a vida tem de mais desafiador e interessante para nós! Beijo no coração e obrigada pela parceria!

  2. Muito bom!!!! A vida é muito de aceitar e se entregar a vulnerabilidade de nao termos certezas e controles de nada… e seguir confiantes…..

    • Chirles Oliveira
      Chirles Oliveira Reply

      Oi querida, é verdade, entregar, confiar e aceitar o flow (o fluxo). As vezes o planejamento faz parte, mas o resultado fica com o imponderável, com o que a VIDA quer que aprendamos! Obrigada por tudo viu?! Seguindo em frente! beijos

Deixe seu comentário

Navegue
teste