Depois do amor-próprio

Já pensou no dilema que vivemos, todos os dias, ao acordarmos e ligarmos a televisão, comprarmos uma revista ou, simplesmente, assistirmos um vídeo no youtube? Essas mídias, as pessoas, as ocasiões, o mundo, o capitalismo, a disputa, tem feito com que, rotineiramente  e, incansavelmente, nos sintamos perdidos e incompletos, ou seja, nos bombardeiam com dicas de como melhorar isso, aquilo e, por fim, deixamos de nos amar para ser mais uma cópia.

Diante de tantas coisas ditas e soluções instantâneas, acabamos por nos sentir distantes de nós, obrigando o próprio corpo a seguir a ultima tendência, mesmo quando, no fundo, achamos aquilo careta e estranho. Mas quem quer, nesse mundo tão moderno, se sentir excluído do grupo dos capitalistas, egocentristas e exibicionistas?

A todo momento estão nos dizendo como se vestir, como falar, como agir. Mas será que isso não machuca nossos sentimentos? Será que não perdemos nossa originalidade? Será que somos meros reprodutores? Será que alimentamos um capitalismo selvagem? Será que somos obedientes demais às propagandas? Qual o nosso maior medo? Ser o que se tem vontade, mas temer pelo que vão dizer ou ser o que seu coração tem vontade e temer, no fundo, não encontrar forças para prosseguir e se sentir um estranho?

Não podemos viver margeados pelo que a sociedade acredita ser o melhor, porque isso pode destruir potenciais. Cada um tem sua identidade, propósitos, sonhos, angustias e beleza. No entanto, se permanecermos vivendo de acordo com o que nos é apresentado, sem dúvidas, não nos aceitaremos e viveremos uma vida sem nós! Poucas coisas são tão tristes!

Quando seguimos demais o que impõem, no fundo, nos tornamos superficiais, e em algum momento isso ficará tão visível que talvez não haja mais tempo de construímos nossas verdades, o que é lamentável, pois cada ser humano, no cenário da vida, é único e capaz de transformar sua existência. Por que, então, você insiste em ser mais um na multidão?

Há coisas que só você pode fazer por si. Por isso, por favor, não espere alguém dizer como você deve caminhar. Porque a humanidade, de alguma forma, está doente, buscando nos braços dos outros uma aceitação, uma comparação, um amor que já existe, mas que é deixado de lado por acreditar que apenas somos bons o suficiente se alguém nos disser isso. E, por favor, isso não é verdade! Então, se ame!

1 Comentário

  1. Marlene Macedo Gomes Reply

    Com a maturidade aprendi a fazer o que me agrada, não para agradar o outro. Quando acordo não ligo tv nem entro na Net. Vou para o meu jadim regar minhas plantas e logo após pra academia que frequento cuidar do corpo e da alma. Não pq está na moda .mas pq me exército há 35 anos e me faz muito bem. Bjo Gui Barreto!

Deixe seu comentário

Navegue
teste