Você tem fome de amor?

O amor, até onde sabemos, é a força motriz que impulsiona a vida e nos faz acreditar que tudo pode ficar bem. Mas o que realmente é este sentimento? O sentido da existência? Uma necessidade de todos? Nossa busca infinita?

Parece que a sociedade tem essa fome de amor, mas uma fome desregrada, sem sabedoria, isto é, estamos muito famintos do amor que vem do outro, porque não nos achamos bons o suficiente, ou merecedores, para que esse sentimento tão lindo floresça em nós, cresça a tal ponto que transborde e, com muita maturidade, possa ser ofertado.

Amar nunca será suficiente, correto? Pois também queremos ser amados, desejados, apreciados e aplaudidos. O problema está em querermos, o tempo todo, amores acessos, fervendo, loucos, brilhantes e excessivamente coloridos, a ponto de nos tornarmos tolos e esquecermos de que onde tudo é aceito o amor é ausente. Entenderam isso?

Essa fome de amor está presente desde que nascemos, porque enquanto criança queríamos a aprovação amorosa de nossos pais. Quando adolescente, queremos o amor dos grupos sociais aos quais nos envolvemos por empatia. E quando adultos continua nossa busca pelo banquete do amor, porque muitas vezes nos esquecemos para satisfazer o outro, simplesmente porque esse outro nos prometeu o amor que tanto esperamos.

E é aí que existe o erro: diminuirmos-nos para caber no espaço de alguém que não é responsável por nos fazer feliz. Será que você percebe isso ou vai continuar com tanta fome?

A busca pelo amor às vezes faz com que passemos por cima dos nossos valores, princípios e essências, tudo pelo desespero de não morrer de fome. Ah, por favor, a única fome que mata é aquela vinda da ausência do amor-próprio. Os outros amores? Ah, querido, a gente vai encontrando e desencontrando. Lei da vida…

Se alguém precisa abrir mão de tudo, ou quase tudo que é, para agradar o outro e torná-lo o centro das atenções, tenha certeza de que isso não é um relacionamento saudável e vocês, com o passar do tempo, correm o risco de sentir ainda mais forme, ficando neuróticos por receberem apenas migalhas, que nunca sustentarão um relacionamento de verdade.

E um relacionamento de verdade é aquele onde as diferenças são tão bem aceitas quanto às semelhanças, porque ninguém é perfeito, ok?

Desta forma, não importa o quanto você deseja e espera pelo amor dos outros, antes é preciso se amar e nutrir sua fome pessoal. Então, alimente seus sonhos. Alimente seu trabalho. Alimente suas crenças. Alimente sua vida, e assim começará a atrair pessoas que invés de desejar arrancar suas esperanças, estarão dispostas a lhe fazer feliz. Porque cada um oferece o que tem. Cada um atrai o que pensa. Cada um constrói sua história. Cada um é o que acredita. E isso é tudo.

  • imagem central by Pixabay

Deixe seu comentário

Navegue
teste