outubro 2015

7 Posts Back Home
Showing all posts made in the month of outubro 2015.

Você quer um grande amor?

Querido, quem é você? Quantos de nós já nos perguntamos isso quando estamos em um relacionamento? Seja em frente ao espelho ou em frente a pessoa que amamos. Esse questionamento se evidencia quando começamos a nos sentir aprisionados, ou seja, agradando mais do que deveríamos, satisfazendo mais do que aguentamos, pior, suportando o que já não nos faz mais feliz, e sim o que é confortável para o tal do “grande” amor.   Mas se for para encher a boca e dizer que você tem um grande amor, e ao mesmo tempo tem que fazer grandes submissões, é melhor não ter esse grande amor, porque, certamente, numa situação dessas, você está desperdiçando a oportunidade de ser feliz com alguém que lhe oferte mais do que um grande amor. E, por vezes, essa pessoa, aí do seu lado, talvez seja mesmo o amor da sua vida, mas também alguém que…

Como você trata seu lixo?

Campanha do Banco do Planeta Todas as quintas feiras, quando coloco meu lixo reciclável para ser recolhido na rua, me assombro com dois fatos: primeiro pela quantidade de lixo que acumulamos numa única semana e, segundo, pelos poucos vizinhos que separam e reciclam seus lixos.  Moro em casa, e por isso é mais fácil visualizar na rua quem recicla e se preocupa com o destino correto dos resíduos, de quem não faz essa lição de casa. Observei que de 10 casas próximas a minha, apenas três fazem a separação do que é lixo, e do que pode ser reciclado. E no restante da rua não é diferente… Em compensação o lixo ali na esquina se acumula. Primeiro foi uma carcaça de TV, depois um colchão, por último um sofá! Fico imaginando o que pensa uma pessoa que tem esse tipo de atitude. Será que ela pensa nas consequências dos seus…

O que vale a pena para você?

Acho que estamos confusos quanto aos propósitos pelos quais temos acordado todos os dias. Quem nunca pensou assim? Por isso, será que não é hora de questionarmos se estamos vivendo ou existindo? Existir, qualquer um existe, até mesmo o poste parado na rua, que ainda assim tem sua função, iluminar. Mas nós, humanos, com divinos potenciais, por vezes, estamos apenas existindo, fazendo o que nos pedem, quando, muitas vezes, – no relacionamento ou na profissão -, queríamos fazer o que realmente amamos, sem sermos julgados. Já pensou nisso? O que fazer, então? Dar um grito? Jogar tudo para o alto? Terminar o relacionamento que foi quebrada a confiança? Desistir de um sonho porque é mais fácil se conformar? Não! Nenhuma das respostas que você buscar para essas perguntas fará sentido se agora, urgentemente, você não perceber que o que lhe falta é um encantamento pela vida, por você, ou…

O ser sustentável no caminho da felicidade!

Ontem, ao participar da abertura do VI Congresso de Jornalismo Ambiental com o tema “Mundo em Transição” fiquei tomada por uma angústia e, ao mesmo tempo, por uma alegria enorme. Que paradoxo, não?! Vou explicar! A angústia vem da necessidade de mudanças urgentes, pois estamos vivendo em uma sociedade consumista, egocentrista, que passa por crises de todos os âmbitos: econômica, política, social e ambiental. Será que é tão difícil perceber que esse modelo está esgotado em todos os sentidos? Não é possível achar normal o que o homem está causando a si (como espécie) e ao planeta. É possível olhar o mundo na perspectiva da destruição, da violência, da escassez, da corrupção, das doenças. Claro que tudo isso existe, mas ainda bem que essa não é a única perspectiva. Esse é apenas um lado da moeda. Nas minhas observações, sempre digo que tem muita gente fazendo coisas boas, colaborando para…

Pare, não implore amor

Estamos tão ocupados, não é mesmo? Mas será que é por que queremos estar assim ou por que não tem outra maneira de viver num mundo tão competitivo? E quando essa “competição” tem a ver com o quanto de solidão temos sentido com alguém que está ao nosso lado? Sim, essa é uma realidade – não deveria lhe assustar -, pois estamos, muitas vezes, competindo com nossos próprios parceiros, com nós mesmos, que estamos sempre tão atarefados, tão amargurados, tão endividados, tão preocupados e, por fim, tão bem acompanhados, mas solitários. Quem nunca se sentiu assim?   O que isso quer dizer? Quer dizer que estamos, talvez, amando alguém que sempre desejamos ter ao nosso lado, mas temos deixado muitas coisas passarem despercebidas. Já reparou como vários casais entram no restaurante sem as mãos juntas? Depois se sentam e escolhem o que comer, por fim, até o prato chegar, ficam…

Consumo & Experiências

Após um mês mochilando pelos EUA voltamos para nossa vidinha diária e só posso dizer que aprendi o valor do custo agregado do Whatsapp. Fantástico. Economizamos muito com telefones.  Saí do Brasil com medo do cartão de crédito e firme no propósito de não sucumbir às delícias do consumo, já que estaria com uma adolescente de 16 anos a tiracolo. Após mais um dia de Arte & Galerias em WDC, ao voltarmos para o hosteldeparamos-nos com uma “mega super blaster” loja de departamentos. Os olhos atentos da garota ao meu lado brilharam e ela gritou: “mãe é a Forever 21, vamos entrar!”.  Fui literalmente arrastada para aquela loja colossal. Senti um cansaço só de olhar as escadas rolantes, como uma montanha russa indo e subindo com dúzias e até centenas de mulheres, homens, crianças carregando roupas, sapatos, bolsas e etc… nos braços, ombros, ( para quem é de São Paulo,…

Como você se relaciona com a sua cidade?

Somos 3,9 bilhões de pessoas vivendo em zonas urbanas, disputando espaço para morar, trabalhar, estudar, se divertir e locomover. Para alguns destes bilhões a cidade pode ser um caos, mas também pode ser extremamente agradável, tudo depende de como você se relaciona com ela. Viver na cidade significa viver em comunidade, viver em conjunto com outros seres, nem todos humanos. Significa partilhar, dividir e por que não, doar um pouco de si. Muitos desejam viver num lugar melhor, mais agradável, mas para isso é necessário que se apropriem destes lugares, se apropriar da sua cidade é ter consciência da sua cidadania. Em São Paulo temos alguns exemplos de cidadãos que resolveram se apropriar da cidade, fazer dela um espaço mais agradável. Um deles é o coletivo Ocupe&Abrace , que revitalizou a praça da nascente em Perdizes. O local, antes abandonado, ganhou horta, lago, brinquedos de bambu e recebe desde pic-nics até…

Navegue
teste